Artigos e Notícias

Saberes e convivência compartilhados entre gerações: quem ganha com isso?

A história de um jovem de 22 anos que largou temporariamente a faculdade e o emprego para cuidar da avó foi amplamente divulgada por redes sociais e jornais. O fato aconteceu há dois anos, e veio à tona há cerca de um ano.

Fernando Aguzzoli acompanhou de perto os últimos seis meses de vida da avó Nilda de Lourdes Aguzzoli, diagnosticada com doença de Alzheimer em 2008. Seu relato virou livro – Quem, Eu? (Editora Livraria da Folha).

“Escrevi ao lado dela. Transcrevia tudo o que ela dizia. Foi fantástico”, contou. Em dezembro de 2013, Nilva faleceu. Sobre sua sua decisão de ficar próximo da avó, foi claro: “Eu não sou um herói, não sou um guri iluminado. Eu apenas tomei uma decisão e fiz o que tive que fazer. Todo jovem pode se relacionar com seus avós. Não é porque ela era velha ou porque tinha um obstáculo no caminho. Aprendi muito com ela.”

Fernando está certo quando diz isso. Diversos estudos apontam como é benéfica a relação entre avós e netos. Ou mesmo entre pessoas que, sem laços de sangue, partilham experiências diferentes por conta da idade distinta.

O psicólogo José Carlos Ferrigno, pesquisador sobre longevidade e autor de diversos livros e artigos sobre a intergeracionalidade – um deles, Coeducação entre gerações (Vozes em 2004) – mostra como o relacionamento entre as faixas etárias tem se modificado ao longo da história recente da civilização ocidental. Na Idade Média, crianças e adultos se misturavam durante as situações de festa ou de trabalho. Já, hoje, prevalece nos grandes centros urbanos a separação das gerações em espaços sociais exclusivos.

Em seu livro, Ferrigno assinala que a aproximação das gerações pode incrementar a inclusão social de velhos e jovens, enriquecendo-os mutuamente, desenvolvendo a tolerância e a solidariedade e amenizando, portanto, os efeitos deletérios do preconceito etário. Os velhos podem ensinar aos jovens a transmissão da memória cultural, histórias da família, saberes práticos. Em contrapartida, os jovens podem trazer aos idosos o ensino de novas tecnologias.

“O saber não é unilateral. Mas pressupõe a coexistência e o convívio entre diferentes gerações e envolve movimento, renovação”, diz o estudioso do assunto.

A terapeuta ocupacional e mestre em gerontologia pela PUC-SP Vanessa Idargo Mutchnik, também tem claro que a convivência entre pessoas de diferentes gerações é produtiva para todos.

Coordenando o centro-dia Pasárgada, na Aclimação, ela estimula que os frequentadores do local dividam algumas horas do seu dia com filhos, netos, bisnetos, que têm as portas do local abertas para eles.

“Algumas crianças vêm aqui ficar com os avós. Fazem lição de casa com eles, lancham, jogam wii. O ser humano tem de aprender, desde cedo, que conviver com pessoas diferentes, seja por questões de idade, cultura, credo, etnia, é sempre benéfico”, pontua.

Vanessa lembra que, para esse convívio ter êxito, é preciso levar em conta os interesses dos envolvidos e estimular, especialmente, o respeito e as atitudes solidárias. “Mas isso tudo costuma estar permeado pelo afeto que, em geral, une naturalmente crianças, jovens e seus avós.”

Ferrigno escreve: “Aproximar os ‘diferentes’ é tarefa árdua, pois, infelizmente, tendemos a ser tolerantes com as desigualdades sociais e intolerantes com as diferenças, numa absoluta e absurda inversão de valores.

Que cada um faça sua parte para mudar esse cenário.


Destaques
Arquivos
Siga me
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon